segunda-feira, janeiro 05, 2009

Vida Bandida

Não! Não estou falando da música do Lobão, dos anos 8O. Me refiro ao toro "Bandido" que morreu neste final de semana. A mídia deu cobertura total.


O animal foi notícia no Fantástico, Bom Dia Brasil e Jornal Nacional. Além dos outros veículos. Mas como promover um Bandido? Faz sentido. Bandido foi astro da Globo numa novela. Era parte do elenco.


Essa pergunta infantil, mas cheia de trocadilho, é pertinente.


Principalmente depois de que a última informação da matéria diz que o animal deixou mais de 100 mil ampolas com sêmem congelados. Ou seja uma quadrilha.

Esse touro me fez entender a expressão "amor bandido". KKK

Ricardão

E tudo isso a partir de um touro, justamente esse animal que usa pontas. Ao invés de ser corneado o "Bandido" era o Ricardão.


Mas sua principal qualidade, além do terror da chibata dos parques de rodeio e dos pastos, eram os coices. As patadas do bicho associada a uma umbingada para trás seguida de uma lapada xifral era foda!


O Bandido era animal nesse fundamento do rodeio. Durante sua vida esportiva só um competidor conseguiu montá-lo. É que na noite anterior o Bandido participou de uma suruba com algumas vacas. Deixou, mas também tomou leite pra caralho!


Aí não teve jeito. Na hora ele dava uma tremida igual aquela que dá depois de quem namora em pé.
Emoção e pobreza


O enterro do Touro foi marcado por emoção. A filha do seu dono, um empresário é claro, chorou!


No local será construído um parque. E uma estátua em tamanho natural está sendo produzida. Uma camisa do Torino, time para o qual ele torcia está sendo produzida. Os jogadores do time já estão assinando o presente. Bandido gostava mais o atacante. Aquele...



Bandido que sempre foi tratado como gente. Tipo assim um cara mal lutador de artes marciais, constantemente raivoso. Quase como uma pessoa mesmo, morreu de câncer. O bicho era machista de mais. Não se permitia o exame de toque, igual uma parte vergonhosa dos animas racionais.


Por conta da doença não pôde ser comido. O Bandido era foda! Comeu todo mundo e foi macho até na nora de bater as patas!.


Olhando pelo lado do Ronaldo Ésper, baixar sepultura enrolado numa espécie de lona preta, ainda mais curta, deixando aparecer os cascos, foi um horror!

Empurrar

O guindaste tava ótimo. Evitou aquele coisa brega de empurrar o animal e deixar o monte de carte rolar para dentro do buraco. Mas já aquele era um mito dentro e fora dos parques de rodeio, porque não um paletó. Ou uma roupa de couro, tipo as de peão.



Porque tudo indica que ele era um peão encarnado. E bota carne nisso!!



Mas o Bandido cumpriu sua missão. Trilhou uma vida longe das churrascarias. Não entrou no espeto.


Uma réplica de sua cabeça pode ser usada no bloco "Cabeça de Touro" que sai no Recife numa homenagem aos cornos. O pessoal da organização quer usá-lo como símbolo para mostrar a braveza da categoria.

Sonhos

É assim que morrem os bandidos. Uns amam outros odeiam. O fato é que "Bandido" morreu sem realizar dois sonhos. Vestir a camisa do Torino da Itália e sem participar de uma tourada na Espanha.



Isso agora é missão para um dos integrantes da quadrilha que deixou.






Um comentário:

Sexo na Fecom disse...

Quem foi o chifrudo que conversou com esse boiii...?! P/ entender a língua dele tem ter umas pontas na cabeça também né?! Ops...! Foi mal chefe...! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!