sexta-feira, novembro 29, 2013

Sexta 29 de Novembro - Reprise da audição do Programa Jornal do Povo, que vai ar de Segunda à Sexta pelas ondas da Rádio Jornal AM 710









Destaque para a entrevista com a fisioterapeuta Débora Guedes, especialista em aparelho uronoginecológico. Ela falou sobre reabilitação de incontinência urinária e disfunção erétil pós prostatectomia (retirada da próstata). Durante a entrevista nós ainda interagimos com o urologista, Rogério Bernado, que falou sobre o novembro azul, e a importância do exame da próstata, seja pelo toque retal, seja por exame de sangue. (Para assitir arraste a barra de rolamento até 1h7min).


quarta-feira, novembro 27, 2013

Nilton, agora, é dos santos


 A bola rola com o tempo! A frase é do narrador Arivaldo Maia, titular da Rádio Gazeta. Mas, serve bem para definir o que acontece na vida, em especial dos atletas.

Hoje, o Brasil, o Botafogo, o esporte e os alvinegros ficaram mais pobres. Chegou ao fim a partida de Nilton Santos, depois de 88 anos de vida e 16 em campo pelo alvinegro.

 E ela foi longa, teve vários lances, prorrogações e, o melhor, vitórias.

Ídolo da família, foi para o clube e nós botafoguenses uma figura ímpar. Com seu jeito simples, um dia, em mais um peneirão alvinegro, levou um drible entre as pernas de um tal Garrincha, que acabou sendo decisivo para a contratação do "Anjo das Pernas Tortas".

A amizade dos dois foi fundamental para o Glorioso. Fundamental para o próprio Mané, que ganhou, além de um amigo, um compadre.

Juntos brilharam na seleção brasileira de 58 e 62. Mané pela direita, avançado, lá na ponta e o Nilton, cá na esquerda. Sem firulas, sem jogadas brilhantes, mas preciso em sua missão. Marcava e passava a bola com maestria.

Por isso, eternizou-se como a enciclopédia do futebol.



Se tornou estrela, não só pela dedicação em campo, mas por ter vestido, como atleta apenas a camisa preto e branca, de número 6.

Não o vi jogar. Apenas em alguns lances, fotos e histórias. Muitas histórias! Meu pai mesmo sempre lembrava da partida, onde ele fez falta no lateral, dentro da área e deu dois passos, para ficar fora da linha e enganar o juiz. "Pelo Brasil vale tudo!!", dizia o velho Manoel Barros.

Pois é! Foi assim que conheci, li e assisti várias entrevistas de Nilton. Hoje, com a notícia de sua morte fiquei triste. Parecia ser alguém da família. Digo a de sangue. Pensando bem, entre uma lágrima e outra, Nilton era sim da minha família. A que escolhi. A alvinegra!

Creio que o céu, além de ganhar mais uma estrela, fica a lição: a de que Nilton, agora, é dos Santos!









Entrevistas





Ednei Silvestre se rende ao ídolo durante entrevista




Jô Soares Parte I



Jô Soares Parte II







segunda-feira, novembro 25, 2013

Furando a onda da vida...


São 4.1! Pois é, já sou um quarentão! E daí?

Bem, são quatro décadas cometendo deslizes, falhas, faltas e até destemperos. Nesse período também colecionei decepções, mágoas, aflições e perdas. Ainda assim tudo valeu!

Demorou, mas aprendi que "o tempo é professor". Ele ensina. Apreendi que nem sempre as brigas valem, mesmo quando são necessárias.

Conquistei muitos inimigos, que hoje são bem menores Graças à Deus, que o número de amigos e colegas que também fui ganhando pelas pautas, ruas, bares, encontros e eventos da vida.

Aprendi que amizade não se fabrica. Essas se acabam logo. Aliás, nem podem ser consideradas como tal.

Pedras

Mas, não posso deixar de dizer que aprendi com tudo. Até com as "pedras no caminho", como diria Drumond.

Cometi erros, e ainda os cometo. Mas, agora, procuro errar menos e quase sempre quero acertar. Às vezes ainda piso na bola. Mas, faz parte do jogo. O bom é que tem sempre uma nova partida.

A única certeza que tenho é que um dia vou partir. Mas, estou disposto a viver o intervalo que há entre o nascer e o morrer.

Como diz meu amigo Chau do Pife (artista alagoano), a "vida é uma viagem. Se formos bons turistas andaremos muito". Pois, tento ser um bom viajante.

Sonhos

Desde que nasci, construí e desconstruí muitos sonhos. Esse fenômeno continua até hoje. Acho que vai ser assim até o fim....tomara que demore...kkk

O fato é que os principais sonhos se tornaram realidade. Entre eles: os profissionais e os pessoais. A melhor notícia de todos foi ter me tornado pai. Pense numa pauta boa...digna de Prêmio Esso.

Por isso, que hoje, quando muitos se dignaram em me felicitar, quero dizer-lhes que aproveitem o tempo. Ele passa rápido demais.

Enfrentem os desafios e nunca se esqueçam, que quando tudo der errado é com a família com quem você pode contar. No mar, o maior desafio é vencer as ondas. Mas, nós conseguimos.

Ela é um presente de Deus, porque ele sempre está presente!

Agradeço a ele a todos, que de algum modo me ajudaram a chegar até aqui.

A caminhada continua...





quinta-feira, novembro 21, 2013

Céu rosa mobiliza internautas e parou por instantes nossa redação

 Fotos Aílton Cruz, o Birrada

O fenômeno é comum mas, às vezes, a natureza é ainda mais explendorosa. No cair da tarde de hoje, o céu ficou rosa, amarelo para alguns, laranja...enfim...ima mudando a cada segundo.

No embalo fiz um vídeo com a reção de algumas pessoas.
Aos poucos em meio a loucura do trabalho, fechamento, trânsito engarrafando, mas as pessoas começaram a se conectar com o visual e a registrar.

Entre uma piada e outra, todos apreciaram e decidiram registrar. Aqui, no flagra nossa querida Rita, com seu celular, Zé da Feira com a galera, e Aílton Cruz documentando.



video
Meu amigo Júnior Bocão, do Divina Supernova, foi quem fez, entre os amadores a melhor foto. Por isso, foi eleito o fotógrafo do céu. Valeu galera! Que bom que a natureza ainda encanta a todos...nem que seja por alguns instantes.

 Foto - Júnior Bocão (Divina Supernova)

ENTREVISTA RICARDO STUCKERT/BLOG NÉLIO RODRIGUES


Essa é um pouco da história dessa família que há três, diferentes gerações, vem registrando a vida funcional de presidentes da República. Conheça!

terça-feira, novembro 19, 2013

Consciência não tem cor


 

O dia 20 de novembro, dedicado à memória de Zumbi dos Palmares e sua luta por liberdade no Quilombo, é chamada oficialmente de "Dia da Consciência Negra".


Creio que a expressão não condiz com o que precisamos de fato. Primeiro porque consciência não tem cor. Ela é fruto da percepção, informação e atitude de todos nós.

Logo, defendo uma "Consciência Humana".

Com ela será possível não só lutar por aspectos humanos dos negros e do restante da população.

Entretanto, há no próprio movimento negro, quem acredite que a palavra "Negra" na frase serve para pontuar ainda mais a questão da luta.


Não vai ser pela semântica que deixaremos de lutar por uma sociedade melhor.

Creio, ainda que mais forte o fato das pesquisas indicarem que aqui, em Alagoas, morrem mais jovens negros que no restante do país. Isso reflexo não só da ausência de consciência, mas de uma intolerância marcante no universo do tráfico, que por se desenvolver com muita força nas periferias, onde estão a maioria negra excluída, a vitimiza pela segunda vez.

A primeira é quando, o Estado Nação, "lhes nega oportunidade", como cantou o Paralamas do Sucesso, em Alagados.

segunda-feira, novembro 18, 2013

Bastidores : os Zés

video
Feliz por ter contribuído para divulgação do livro do companheiro de batente, na Gazeta de Alagoas, José Maurício Gonçalves, Histórias de Alagoas (Desenvolvimento Sustentável).
No último dia 15 vi a concretização da venda de uma das duas obras do Zé. Foi o repórter cinematográfico, José Agatângelo quem queria comprar um exemplar. Na hora, não tive dúvidas, decidi registrar o flagrante. Ficou legal porque o nosso escritor viajou mesmo na integação das mídias.E o H estava todo tímido. Abraço aos dois.

Gosto de Gigantes

Música.

Tá aí uma coisa que é difícil se encontrar unanimidade.

A preferência musical de cada um é, antes de tudo, um direito. E o gosto?

-Bom, como dizia meu amigo Petrúcio, lá nos idos de Escola Técnica: - gosto é que nem nariz, cada um tem o seu.
video
Claro na época ele falou isso em outro contexto e citou outro órgão...mas aqui ficaria grosseiro.

Como ia dizendo, a música é uma coisa interessante. De onde menos se espera encontramos pessoas como Sr. Carlos do Acarajé.

Ele trabalha, todas às noites, diante do prédio da Seune, no Farol. Sempre o encontro ouvindo música brega, forró e até as cotovelos music. Mas, na quinta-feira (14 Nov), um dia antes do feriado, não é que o cara tava ouvindo Engenheiros do Havaii.

-Seu Marcos eu gosto é de coisa boa, sentenciou Sr. Carlos.

Os sucessos da banda gaúcha, entre eles Terra de Gigantes e outros clássicos como Infinita Higway e Toda Forma de Poder estavam lá em seu pen drive (flash drive).

-Mas o senhor sabe o nome da música ou só conhece a banda?, indaguei.

-Não. A música não lembro não. Meu menino é que sabe tudo e até tirou isso do computador. Ele gostou tanto quando conheceu que me pediu um violão e aprendeu a tocar essa qui, me mostrava, sem saber que ao fundo rolava Terra de Gigantes.

Fiquei impressionado. Do jeito simples dele, tinha tanta história ligada a uma música.

E veio mais:
-Sabe aquela: Era um garoto...que como eu...amava os Betles...é dos Incríveis (Banda dos anos 70).

Foi aí que matei a charada. Por conta da regravação desse clássico a música chegou até Sr. Carlos, que por consequência ouviu o Engenheiros e curte até hoje.

Legal ver como a informação foi se transformando. Só reforça a ideia de que em cultura tudo se mistura, igual a massa do acarajé. Quando o som agrada ele perdura na memória afetiva de cada um

Ficou na minha, por isso me tocou. Curti muito engenheiros. Fui até do Fã Clube Vozes. Era muito bom. Nos reuníamos na casa da Patrícia Barros, hoje jornalista, assim como eu, Eulália, que também fazia parte e Jan Aline.

Os shows da banda eram memoráveis. Tentar analisar as letras e ver detalhes era um exercício gostoso.

O tempo passou..."e nessa Terra de Gigantes, a juventude é uma banda numa propaganda de refrigerantes... "

sexta-feira, novembro 15, 2013

Memória : Chico Science & Nação Zumbi- NYC - Central Park Su...


Direto do túnel do tempo. Como o tempo é sempre majestoso para os que o consumiram, aqui recupero parte de minha memória. Há 16 anos Chico Science aparecia para o mundo num show épico, no Central Park em Nova York.

No mesmo dia Gilberto Gil também se apresentaria e dividiu o palco com ele.Gravariam mais tarde, no ano seguinte,  Macô, o segundo e último disco de Science que morreria, dois anos depois num trágico acidente de carro.

 Depois de NY , os tambores invadiram o Brasil. Isto mesmo, os gringos e nossos irmãos que lá moravam, o ouviram antes de nós.

Chico chegou aqui, em Maceió, no ano seguinte, num único show, no Enem (Encontro dos Estudante de Medicina). Era o encerramento.

Tive a chance de ser o mestre de cerimônia que o chamou para o palco. Na verdade exigi fazer isso, já que trabalha com amigos como Keyler Simões, na assessoria do evento. Fizemos Zoada e uma daquelas arretadas.

Chico subiu ao palco maravilhado com o público que lotava o campo de futebol da Ufal. Passou por mim e humildemente falou comigo e agradeceu. Fiquei emocioando e retribui sorrindo. Me escondi atrás da bateria e assisti todo o show. O primeiro que vi de cima de um palco.

Depois nos falamos por alguns poucos, mas marcantes minutos no ônibus que os levaria de volta ao Recife.

Demorei para achar esse vídeo. Mas essa tal Net usada de forma correta vira uma recuperadora de neurônio da peste. Tem tudo aqui...tô até procurando o vídeo de meu parto...kkk

Voltando. Estou maravilhado em encontrar e poder dividir com todos...

Volvo Trucks - The Epic Split feat. Van Damme (Live Test 6)

Esse comercial tem repercutido de modo forte na rede. Não tinha assistido ainda. Mas, realmente, que sacada genial. Vender caminhão, ou melhor, sua qualidade usando a imagem do artista, que não dis uma palavra, exceto pelo off, foi demais, né. 
Aí resolvi dá uma força pra galera e publicá-lo aqui.
Espero que curtam.

Furo Russo

Artista com os testículos no chãoO artista russo Pyotr Pavlensky vai ser processado por ter pregado os testículos no parque histórico da Praça Vermelha, em Mocou. Antes que você ache a ação dele apenas mais uma loucura, eu te explico. Ele é contra as posturas de censura política e as artes na Rússia.Veja como é a vida. Aqui os protestos estão enchendo o nosso saco. Lá, o cara usa o próprio para lutar. Quando eu era manifestante de carteirinha agente pichava muro, faixa, vaiava, fazia passeata...coisas assim. Mas, agora a coisa mudou. Há um individualismo até na hora de cobrar.
Mais sobre o artista click aqui

Não pratique ouvicídio


Aproveite o seu feriado, mas não agrida os timpanos dos vizinhos. Tudo bem se você curte arrocha, funk ou música de corno. Não tem problema! Cada um ouve o que mais se identifica. Foda é submeter todo mundo a ouvir a mesma coisa e aguentar, às vezes, alguém bêbado tentando acompanhar a letra. Aí já é duplo ouvicício!

quinta-feira, novembro 14, 2013

Mais uma volta (Reflexão)

De novo! Sim, mais uma vez. Mesmo com o tempo de ócio cada vez mais tomado por minhas princesas, me deu um tesão para voltar a escrever.

Primeiro decidi mudar o visual. Agora, estou metido a webdesign. Calma, foi só um surto virtual. Minha praia mesmo é o jornalismo, falado e escrito.

Desde minha última postagem, lá no início do ano, o mudo ficou um pouco pior por um lado e mais atraente de outro. Pior por causa da violência, aqui e acolá (no Oriente Médio) que não cessam.

A corrupção também aumentou. Entretanto, nós, os roubados, estamos mais atentos e mais putos também. Basta ver que nas passeatas do  "junho vermelho"-sacudimos o País, denunciando que não aguentamos mais a roubalheira.

Mas, de certo modo o caminho encontrado, com pouca ideologia e organização não nos tirou do limbo. A coisa tá preta (nem me chamem de preconceituoso). Quero apenas tirar uma onda com a presença dos Black Blocs, que adotam essa cor como símbolo.

É, de fato parece que evoluímos para trás, igual aquela música antiga do Juca Chaves, que cantava "Pra frente Brasil", mas andando para trás.

Mesmo assim, como não perdemos o bom humor, continuamos rindo, às vezes como hienas, de nós mesmos. Quem bom que não perdemos essa capacidade.Afinal, querendo ou não a vida passa rápido demais.

Por isso, não prometo fidelidade, mas sim presença por aqui.

Um beijo nos neurônios e até já!

_______________________________________________________________________
 Abaixo o vídeo que me fez dar vontade de voltar a escrever aqui


Foi por causa desses dois irmãos gêmeos que nasceram e não se largaram.
Com um gesto simples, um abraço, nos ensinam tanta coisa.
Quanto tempo faz que não abraçamos quem amamos? Quem nos faz bem.
Pô, vejam a paz que eles estão. Notem o carinho com que se cuidam.
Se fizermos isso, no dia a dia, não há porque querermos ver o fim um do outro.
Não cham?