terça-feira, dezembro 06, 2011

Enfim dezembro chegou e doeu no calcanhar

Dezembro chegou. Depois de um ano cheio de novidades e acontecimentos o ano tá no fim. Entre as coisas boas novas oportunidades e a gravidez de minha gatona, que espera outra gatinha. Estou mais velho. Com isso mais choroso. Ou seria emotivo. Não sei bem.

O fato é que mais uma parte do tempo passou- digo, do nosso- e do meu.

A enxurrada de informações e notícias que inundou sites e a mídia em geral já, já se tornarão mais uma retrospectativa.

Entre as mais tristes a tragédia do Japão e a morte do Sócrates. Isto mesmo, do corintiano e, agora, eterno Dr. Sócrates.

Craque em campo, fora dele foi consumido por litros e litros de álcool. Líder da Democracia Corintiana erguia o punho cerrado (fechado) sempre que fazia um gol. E foram muitos. Alguns até de calcanhar. Impressionante sua habilidade com a parte trazeira do pé.


Sócrates era demais. Vai continuar sendo. Afinal, morrer no dia em que o ex-time, mas time do coração, se sagra campeão, somente para os fiéis, né?

Jogador diferenciado, Sócrates foi filiado ao PT e lutou, ao seu modo, pela direito do voto dos brasileiros. Meio com cara de D. Quixote, ao contrário do personagem, não lutou só. O doutor era diferenciado. Influenciou muito.

Sou parte de uma geração que aprendeu a admirá-lo!

quarta-feira, outubro 19, 2011

A bola rola com o tempo...?

"A bola rola com o tempo". É com esse e outra dezenas de bordões que o narrador Arivaldo Maia (Timaço da Gazeta) narra as partidas de futebol.

Mas, gostaria de a partir dessa frase partir para outra reflexão. Em especial no caso do ministro Orlando Silva, do PC do B, e que comanda a pasta do esporte no Governo Dilma.

Há quem diga, que boa parte das figuras públicas, uma vez nos cargos acabam cedendo as tentações. Propinas, acordos, esquemas, jeitinhos, costumam ser dados em nome do chamado "interesse público". Pelo menos é o que costumam dizer.

Porém, o interesse do público, ou do que é público, vai além. A nós, povo ou cidadão (como queiram), nos cabe a transparência. E quase sempre quem age às escuras teme a "luz dos fatos".

Até o momento a "guerra" de informações que envolve o nome de Orlando ainda não chegou a nenhum lugar. Exceto, na lama do poder. Deixa passar a clara ideia de que a "bola rola com o tempo".

E tem muito tempo que o Ministério dos Esportes está nas mãos do PCdoB. Os comunistas não a socializam com ninguém, desde que não sejam seus próprios camaradas.

No caso das denúncias elas ganham uma repercussão grande porque partiram de um "Camarada" de partido. Alguém, que parece como o "esquema" funcionava. E para completar, um militar. Um tal Ferreira.

Mas, a quem ele quer ferrar? Imagino que no mínimo o ministro, mas no máximo a presidenta Dilma. Aliás, todos querem detoná-la. Herdeira de Lula, a presidenta teve que manter seus acordos e agora sofre com o ódio e a ira da oposição.

Como cidadão e trabalhador que sou, quero a apuração. Como seu eleitor fico cada vez mais puto por ter ajudado a manter essa estrutura de acordos nefastos. Não tenho vergonha de assumir. Não queria ver o país, novamente nas mãos do PSDB entreguista.

Enfim...agora é esperar no que vai dar. Só sei que pelo visto já tem bola fora!


terça-feira, outubro 18, 2011

Crianças e a morte no palco da vida...

Sou um privilegiado. Não nasci, nem cresci no Conjunto Virgem dos Pobres. Mas, mesmo tendo surgido para o mundo em outra área, me incomodo com a condição de quem mora lá. Será que sou louco?

Na verdade não! Me incomodo porque sei que parte dos que lá estão, adultos ou crianças, poderão ser notícia ou alvo de alguma pauta que venha a fazer. Quando escolhi ser jornalista queria falar da vida. Ou dos problemas dela.

Mas, em Alagoas, só se fala em morte. No palco da vida, é ela que está sempre como protagonista. Na semana passada, a Oranização das Nações Unidas (ONU), nos colocou em primeiro lugar, mais uma vez como estado mais violento do país.

E não é difícil saber porque. Os sites, agências de notícias e jornais, em geral, estampam a todo momento um corpo no chão. Até aí, nada de novo.

O fato, porém, é que além do morto, normalmente há uma plateia sendo formada para o terror. Sem nunca terem ido, ou com chances de irem ao teatro, o palco que conhecem é a rua. Nela, encontram sangue de verdade e um corpo de verdade. Não é maquiagem.

A vida e nada, neste locais é a mesma coisa. Nesta foto está o exemplo. Crianças apreciam, ao lado dos pais, ou melhor, na maioria só com as mães, mas uma tragédia anunciada.

O corpo, o sangue, a tragédia não incomodam mais. Fazem parte da rotina. Até a bola, a brincadeira de rua e correria tão peculiar entre qualquer criança, ficam de lado.


Foto: Railton Teixeira - Alagoas 24 Horas

É "a vida como ela é", como dizia a coluna de Nelson Rodrigues, na década de 70. Mas, nem ele seria capaz que chegaríamos a isso. Digo a esse desprezo pela vida. Não há mais lágrimas. Ou quase sempre não. Apenas os parentes choram. Quando choram!

Agora, pergunto: será que alguém que cresce sem temer a morte, se acostumando com ela em todos os seus lances crueis, vai temer morrer ou matar?

Creio que não! Minha tese é que nós, que crescemos sonhando com a vida, lendo e brincando com histórias felizes, fomos educados para valorizá-la.

Acho que precisamos agir. Não sei bem como. Não tenho fórmulas. Mas defendo que nos mexamos, nos reunamos, conversemos para buscarmos alternativas que possamos apresentar para as crianças destes locais.

Penso que se crescerem só convivendo com isso, não hesitarão, mais tarde em tirar nossas vidas. Isso, em qualquer circunstância.

Precisamos nos sentir responsáveis, também, além de Estado e Município, quanto a esta crise de identidade. Porque, do jeito que vai no palco da vida só terá tragédia em cartaz.

segunda-feira, outubro 10, 2011

Metendo o dedo onde é chamado

Já fiz o meu recadastramento bimétrico. Em meio a emoção de ver minhas impressões digitais se eternizando no sistema de cadastro do TRE e futuramente no cadastro único do cidadão, descobri algo importante.


Graças a tecnologia você eleitor e eu poderemos escolher com qual dedo escolheremos nossos candidatos. Isso mesmo! Como cadastramos todos os deledos no leitor ótico que lê as ranhuras dos dedos, na hora de nos identificarmos para votar poderemos colocar qualquer um.

Sendo assim já escolhi o meu dedo. Usarei o dedo médio. É isso! Aquele que agente usa para dar dedo aos outros. Acho que alguns candidatos irão gostar de receber o voto dado por este dedo.

Então, senhores políticos e cabos eleitorais, quando vinherem me pedir voto, saibam que já tenho minha posição clara. Votarei com o dedo médio.



Sei que tem político que merece o polegar. Outro que necessite que usemos o indicador e os indiquemos, como verdadeiros "dedos duros". Tem também aqueles que merecem o dendo anular, mas tirem os aneis, ok, só por precaução. E os candidatos que de tão pequenos no caráter e nos compromissos éticos que merecem o voto com o dedo mindinho.

É vai ser demais essa eleição. Finalmente cada dedo valerá um voto. Ou seja, cada dededa ajudará a definir os destinos políticos de nossas cidades.



Tem político que quando for se recastrar, já vai estar familiarizado com o processo. Como já foram presos ou indiciados, já "tocaram piano" ou melaram os dedos. O movimento que se faz na hora de colocarmos os nossos é o mesmo. Temos que ficar virando o dedo de um lado para o outro.

Pois é, fazer o recastramento foi ótimo. Pena que foi rápido. Quando vi já estava com o título em mãos. Mas agora pensando: "-Porra, minha dedada pode mudar toda essa droga aqui!"

O pior é que político para se fazer isso, nós contamos nos dedos, né?



sábado, outubro 08, 2011

Meu ouvido não é pinico: use fone no buzú!

Sou fã da China. Adoro a comida chinesa e até os pastéis. Mas não suporto os celulares que eles produzem. Até o nome não aguento mais ouvir. É um tal "Ching Ling".

Não falo da qualidade das ligações, me refiro ao som que emitem.

Em especial os gravados pelos seus donos e que são ouvidos nas alturas. Com todo o volume. Virou moda as pessoas sairem pelas ruas, coletivos e áreas públicas.

O áudio é muito alto e vibrante. Resultado, as pessoas ficam irritadas, mal humoradas. Apenas o dono do aparelho acha que está fazedo algo bom.

-Meu amigo, ouvido não é pinico!!

Por isso apoio essa campanha.

segunda-feira, outubro 03, 2011

Mobilização de twitteiros tira site de pedófilo do ar


Sou do tempo dos protestos de rua. Das pixações políticas e panfletagem com discurso radical. Mas, cada vez mais, sinto que a coisa mudou. E muito!

As redes sociais com os milhões de blogs, páginas do orkut e fecebook, além do twiter vinheram para ficar. Com um click somo capazes de mobilizar milhares ou até milhões.

Hj, enquanto estava no ar com o nosso "Jornal do Povo" recebí no twitter uma postagem dando conta da existência de um site de pedofilia. Em meio a tantos protestos de indignação também me revoltei ao ver a única postagem existente.

A cena era chocante. Uma criança estava sendo abusada por um adulto. No blog o autor, desconhecido e covarde, defendia a pedofilia. Cinicamente dizia sim a essa prática nefasta e abominável.

Diante deste fato repugnante não tivemos dúvidas. Acionamos a Polícia Federal e o delegado Políbio Brandão respondeu imediatamente. Depois de orientar no ar como se deveria proceder, poucas horas depois - duas especificamente- o site foi tirado do ar.

Então, cheguei a conclusão que uma nova forma de cobrar e exigir está em prática. Mais do que nunca, precisamos usar essas ferramentas com mais habilidade. Alguém vai nos ler, nos ouvir e, principalmente, agir.

Fiquei feliz com a reação por meio do twitter da: @luabezerra, @lenildaluna, @canalmeida, @oscardemelo, @iwisster, entre outros.



Graças ao poder de mobilização de voces aprendi mais uma lição, que precisava compatilhar com os demais. Valeu!!

Ah! Em caso de sites contendo material impróprio, em especial pedofilia o caminho é denunciar à PF pelo seguinte endereço: http://denuncia.pf.gov.br

quinta-feira, setembro 22, 2011

Eu voltei...agora pra ficar!

De volta.

Decidi voltar logo, porque ouvi um nerd conversando com outro na fila do banco e escutei perfeitamente que o mais ruivo-sardento, disse o seguinte:

- sabia que quem tem blog e fica mais de cinco meses sem escrever os seguidores pensam que morreu?

O ruivo retoma: -É pior! Porque político vai no cafezinho do shopping, enterro de amigo e ex-bandeirola. Foda é na internet. Que tem tudo isso, mas vc só aparece se tiver muitos seguidores. Sem isso você tá deletado.

O outro: Mermão que merda da porra! Véio, quer dizer que que o cara some. Pode crê!?

O filho da puta do ruivo: -Mas ó, tem jeito!

O besta: Tipo assim!? Como é que faz?

O sacana: tem que reconstruir a imagem do blog. Tipo fazer uma repaginada, tá ligado? Algo assim como um novo portal. Sei lá, uma coisa diferente, saca? Cê tá ligado naquele que outro dia te mandei o link que tinha aquela parada?

O bacaca:- Claro! E é daquele é?! Ah, tá!

Eu puto: - Que merda esses dois bostas não disseram porra nenhuma e eu agora tô com uma pulga atrás da orelha.  (Negócio antido do caralho). Agora é assim: - mermão tô noiado!

Foi assim que decidí voltar.

Claro que teve outras coisas boas acontecendo. Vou ser pai de novo. O Flamengo vem perdendo ou empatando muito. O corinthians cai para sexto na tabela. Além da Dilma ter feito uma "faxina", bem ao seu estilo. O de guerrilheira, daquelas que odeiam tarefas domésticas e joga tudo para debaixo do tape. Não qualquer um, o do PMDB, é claro.

São tantos fatos que daria para fazer um jornal mensal ou um sarapatel bem temparado, pra tomar com uma gelada!

Ao longo desse retorno, quase um ressucitar digital vamos adelante (en espanhol). Afinal, até o Connan e os Smurfs vivem!

Hasta la vista baby!!

Aqui é meu lugar!

terça-feira, julho 05, 2011

A vida sem retoques,até quando termina por aqui...

José Viegas, sec. estadual de Cultura, Nunes e Álvaro Machado chefe do Gabinete Civil
Manoel Nunes Lima se foi. Agora, diariamente não o encontraremos mais aquele traço simples, em preto e sem cores da Gazeta ou suas crônicas da " A vida sem retoques". Na verdade só o vi colorido agora. O mestre da charge alagoana, rei do risco leve e objetivo, nos Deixou. Parece até uma charge falar do velório.

O homem simples que desenhou o poder e as situações cotidiano só poderá desenhar no céu. Morreu no dia em que o ex-presidente Itamar se enterrou.Lá de cima creio que Nunes já está de olho no mineiro. Pena que esse material só o veremos quando também não estivermos mais aqui.

Desde que me entendo como jornalista, não me lembro de ter visto a morte de nenhum chargista. Não se como é. Qual o desenho que isso tem? O Nunes vai me iniciar nisso também. Imagino um traço preto, com pouca gente, mas uma boa representação do velório.

Velas. Agoa são elas que iluminam Nunes. Quando era vivo tinha luz própria. Franzino, bem humora, educado e de fala mansa, só castigava na mão, quando a situação exigia. Nunes era ácido do jeito dele. Tocava no social sem ser chato, piegas ou lançar mão do lugar comum. Aliás, sua grande virtude era pegar o comum e mostrar que ainda incomodava.

Vai ser mais triste a vida sem o Nunes. Seus fãs, leitores e admiradores pessoais, agora só ficarão com o exemplo. Pelo menos ele deixou tudo desenhadinho para nós. Lamentar sua morte não fará sentido, afinal estará sempre vivo por seu olhar rabiscado numa folha em branco. Queria que a morte de Nunes fosse uma charge.

Algo irreal.

Mas, lemento informar que é verdade.

quarta-feira, junho 15, 2011

O poder e suas compensações

Ter poder é jogar um jogo de compensações. Se não vejamos. Dilma, antes de assumir parecia ser a grande revolucionária que faria o que Lula não teve coragem. Temas como a lei que criminaliza a homofobia seria rapidamente, assim como a aprovação do kit que seria trabalhado nas escolas.

Deu pra trás. Depois da pressão da bancada cristã, Dilma Recuou!

Sobre a Comissão da Verdade a mesma coisa. Até agora nada e sem perspectiva de aprurar a verdadeira verdade sobre quem torturou estudantes e trabalhadores durante a ditadura.

Agora, a mais recente derrota da sociedade civil, que é a mudança da lei que previa a abertura total dos documentos oficiais. Conduzida pelos aliados Collor e José Sarney, a presidenta recuou de novo. A coisa desandou. E a história sofre outra queda.

Agora vejam  outra virada comportamental. Uma vez no poder, Fernando Henrique Cardoso, combateu com a força a questão das drogas. Fora dele, defende a descriminalização da maconha, só para compensar. Aos 80 anos ele descobriu que errou.

Cada vez mais compreendo que o poder não destrói apenas sonhos, mas principalmente perfis.

Volta Lula, parece que mesmo sem ter sentado numa cadeira acadêmica vc entende mais a voz das ruas. Será que isso vai compensar? O grupo de Dilma já expulsou Palloci, ex-homem de confiança de Lula.

O que vem por aí, hein?

domingo, maio 08, 2011

De volta ao ar


Depois de 9 meses em que tive a chance de passar pela Rádio Jornal, substituindo o âncora França Moura, estou de volta. A época conduzi o programa Cidadania, que segue para outro prefixo (Rádio Maceió AM), enquanto no horário das 7h às 12h esteremos no comando do Jornal do Povo.

Só tenho a agradecer em quem sempre confiou em mim e me deu oportunidades. Segue aqui meu reconhecimento ao próprio França que, inclusive, me lançou como comentarista esportivo na mesma emissora três anos atrás. Foi uma experiência incrível. Depois ainda me convidou para assumir seu horário num momento em que foi para a disputa eleitoral.

Tudo valeu! Graças aquela vitrine fui lembrado e procurado pela direção do Sistema Jornal de Comunicação e, agora, estaremos estreando.

O desafio é grande e chega num momento importante de nossa carreira como profissional. Principalmente porque poderemos formatar o programa de acordo com nossa maneira de compreender o radiojornalismo. Aos poucos iremos implantar nosso modelo e forma de trabalho.

Esperamos contar com a audiência dos visitantes deste blog. Nos acessem e interajam, vai ser um prazer!

quarta-feira, maio 04, 2011

Barulho real


A princesa Kate, minutos depois do casamento já provocou barulho. Olha só o flagra dessa foto. A menininha, coitada, mal cresceu para a vida, mas já fez o gesto clássico de quem sabe que vai dar falatório. Engraçado foi a cara do Willian apoiando a mão na cabeça da jovem esposa. Que situação, hein?? O pior é que a imagem rodou o mundo sugerindo algo fora do normal. Mas a coitada da Kate só queria ajudar...Bela ajuda!

segunda-feira, maio 02, 2011

Jornalismo alagoano perde o repórter Ródio Nogueira


Ródio ao lado da filha Adelaide durante partida entre
o time da OAM e PSCOM na Pajuçara

A pauta caiu. Tombou como se diz. O repórter Ródio Nogueira não vai mais ligar para suas fontes, nem pegar seu caderninho amarelado para relembrar os casos mais escabrosos. O homem, o amigo e profissional dedicado foi vencido por uma cirrose, 17 dias após ser diagnosticado com o problema.

Sempre de bom humor, disposto a falar criticamente sobre algum problema, Nogueira deixa um legado de bons textos, boas apurações e uma gigantesco arquivo de imagens, além dos recortes de jornais.

No ano passado convivi mais de perto com ele. Por conta de uma virada profissional dividíamos o mesmo prédio e começava meu dia tomando um cafezinho e botando as pautas em dia. Ródio tinha sempre alguma novidade, que podia se tornar uma grande matéria.

Astuto, gostava de dizer que sua "Universidade" foi a prática e a leitura incansável de centenas de autores. Aliás, Ródio sabia de minha carência e vontade de ler. Por isso, vez por outra, pessoalmente ou por meio de sua filha a jornalista Adelaide Nogueira, me repassava algum livro.

Ródio era assim. Gostava de partilhar conhecimento e despertar a curiosidade das pessoas. Guardo a lembrança do amigo simples, que sem luxo, nem frescuras, falava a verdade mesmo que, em algum momento, pudesse magoar.

Querido colega, vc completou seu tempo por aqui. Fica a saudade e os risos que demos juntos e as revelações sobre o Botafoto e o Clube de Regatas Brasil (CRB). Obrigado pelas aulas que nunca consegui te pagar. Pelos livros emprestados, pelos textos apresentados e os arquivos de internet trocados.

Saiba que enquanto estiver por aqui procurarei ser tão detalhista quanto vc sempre foi. Não sei se terei capacidade de armazenar tantos dados. Vou tentar.

Um abraço e boa viagem!

quinta-feira, abril 28, 2011

Imbecilidades inglesas

O casamento real, do príncipe Willian e Kate, tá virando uma atração para a imbecilidade mundial. Além da enxurrada de notícias sobre o tema, o mundo tem se deparado com cada coisa. Depois dos botons, chícaras, cuecas e até sandálias, surge agora o tênis Will e Kate. A confecção é uma linha criada pela marca New Balance, que espera faturar com o envento que acontece na próxima sexta-feira.



Com tanta novidade cercando o casório real, estou pensando em lançar as camisinhas "cabeça de príncipe". Acho que essa sim vai botar pra fuder. Seria uma maneira de homenagear o casamento real, mas em sua versão de acasalamento real. "Tenha um orgasmo real".

Mas as imbecilidades não existem só na Inglaterra. Olha a babaquice que um português veio lançar no brasil. Nada mais, nada menos, que a "Bíblia do Flamengo". Siceramente, não precisa nem comentar. Tá explicado por que tem tanta gente sem acreditar em nada por aí.

quarta-feira, abril 27, 2011

Não é Mintchura, Neusinha Brizola morreu

A ex-cantora, Neusinha Brizola, morreu no Rio de Janeiro. A mulher que abalou as estruturasa do pai, Leonel Brizola, nos anos 80, não vive mais entre nós. Por conta de um problema no fígado (hapatite) ela acabou perdendo a batalha para a doença. A notícia foi divulgada por seu primo, Leonel Brizola Neto, no Twitter. Para quem viveu a "década mágica" do rock brasileiro não esquece da música "Mintchura" interpretada por Neusinha.

Louca, moderna, lançou moda e esteve sempre a frente de seu tempo. Conheceu o auge e a miséria da fama, depois que se viu viciada em pó. Em meio a uma crise e outra chegou, inclusive, a morar num dos morros cariocas, até ser presa. Todos esses fatos abalaram muito o pai, Leonel, que sem saber o que fazer decidiu proteger os morros e não permintir nenhuma operação de "caça" a traficantes. Alguns alegam que isso ajudou a proliferação do que hoje conhecemos como "crime organizado".

terça-feira, abril 26, 2011

Olfato ou fato?

O olhar jornalístico flagra, quase sempre, o fato transformado em ação, ou a ação que se transformou em fato. Isso é fato.

De fato, nem só de fatos (víceras) vive o jornalismo. Esse fato, quase sempre é fato.

Mas o fató é, quem vai, de fato, alterar os fatos. Não fiquemos estupefatos!

Na realidade os fatos mostram o contrário.  Fato verídico. Me lembro da revista Fatos e Fotos. Tem coisa mais factual do que isso?

De fato, não!

O fato é: quem de fato, pode alterar os fatos em questão?

Pelo meu olfato, isso é um fato consumado.

segunda-feira, abril 25, 2011

Conheça a bola da copa

Depois da Jabulani, que foi usada na Copa da África, conheça a Jabundona, que será usada em 2014, na Copa do Brasil. Aprovada! Aprovada!




AAAAAAAAAAAAAAAPPPPPPPPPPPPPPPPRRRRRRRRRRRRRO
OOOOOOOOOOOOVVVVVVVVVVVVAAAAAA
DDDDDDDDDDDDDDDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!

Malhação ao natural

Europeu é um povo do caralho mesmo. Quer dizer! Do caralho, da buceta, cu e tudo mais. Basta ver essa notícia de que uma academia na Espanha, agora, abriu para naturistas, leia-se nudistas, malharem.

Impressionante!

Já pensou, vc entrar numa academia e a galera está nua?


Deixando de lado a visão erótica, quase pornográfica, pensemos na parte prática. Quem vai sentar num aparelho, ou melhor, no banquinho que um cara ou uma moça pelada acabou de deixar para trás?

Pois é!

Parece que isso não tem graça. Para justificar a iniciativa o dono da academia disse que era um a maneira de driblar a crise. Grande argumento econômico, ou diria eucunômico?

domingo, abril 24, 2011

Páscoa com humor

Jornalista alagoana sobe na vida sem pisar em ninguém
















É raro, mas acontece. O exemplo está aqui. Minha amiga jornalista Isolda Herculano (http:isoldaherculano.blogspot.com), subiu na vida. E o melhor, sem pisar em ninguém.

Para tanto lhe bastou apenas talento e coragem. Texto claro e reflexivo, aliado a muita força de vontade a projetaram para a além do Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares. Ao lado de seu companheiro (namorido como ela mesma define) foram para o Rio de Janeiro e encararam as aventuras da cidade maravilhosa. As fotos foram parar no twitter @isoldaherculano

Valeu Isolda!



Monstro de realengo vira Judas


 A repercussão na mídia do atentada à bala que deixou 12 adolescentes mortos na Escola Estadual Tássio da Silveira, em Realengo no Rio de Janeiro, não foi esquecida pelos alagoanos. Alheios a qualquer polêmica política da terrinha, moradores da periferia escolheram como Judas o atirador Wellington Oliveira.

O flagrante foi feito pela repórter da Gazetaweb, Janaína Ribeiro. Com paus e pedras os moradores, acompanhados de muitas crianças foram pra cima do boneco com muita ira.

Pena que o fenômeno midiático que motivou a repercussão do fato não trouxe para o debate o problema do bullyng. Digo isto porque segundo informações do próprio assassino ele era vítima de gozações e chacotas dos colegas.

Quem sabe o jornalismo se toca e puxa discussão para provocar as escolas a se manifestarem para evitar o surgimento de outros desequilibrados como o "Assassino de Realengo".

sábado, abril 23, 2011

Mundo sem noção

Flexível
Chen é um chinês de 80 anos. Adepto da ginástica e comida natural, na semana passada ele posou para um fotógrafo da Reuters. Pela cara que ele fez, parece que não estava muito feliz. Mas, quem fica né?! Colocar os pés na cabeça e ainda fazer mãozinha de monge é dose. A foto rodou o mundo e também veio parar por aqui.

Parabéns Chen Noção!



Fumaço

Na Bélgica o governo radicalizou, e com razão.Entra em vigor, no dia 1º de julho uma lei que proíbe o consumo de fumaça, ou melhor, cigarros em ambientes que servem alimentos. Isso atinge todos os bares e restaurantes. Para se posicionar contra, os empresários foram as ruas e promoveram um fumaço. O protesto sem sentido teve até babacas fumando sobre várias caixas de cigarros. Já pensou?! Pois é! Fumo no pulmão dos outros é refresco né!



Com noção

A Nissan venceu a escolha de carro do ano no mundo, feita por jornalistas especialistas em automóveis com o modelo elétrico Leaf. O modelo é equipado com uma bateria de íon-lítio com 48 módulos compactos e de alta resposta que gera 107 cavalos de potência e 28,6 kgfm de torque. A velocidade máxima é de 150 kmn/h -a versão urbana alcança 145 km/h. O anúncio da eleição aconteceu no Salão de Nova York.

Agora é ver se a máfia mundial do petróleo, que enriquece ditadores árabes, vai deixar essa tecnologia avançar.

O planeta agradece!

Mais no G1

Quer aparecer?

Se você tá se achando meio anônimo na multidão, que ninguém lhe nota, que tal mudar? Pois é, seja moderno e descolado. Não tenho dúvidas que todos vão olhar para seu visual. Para evitar comentários mais ousados use um Ipod no volume máximo e siga. Afinal gosto é que nem cu, cada um tem o seu.
O nome disso aí é modificação extrema.

Mais click aqui.




quinta-feira, abril 21, 2011

Especial de Lucas Figueiredo:Carta Capital traz detalhes sobre o Diário do Araguaia

A edição de CartaCapital que começa a circular hoje traz, na sua reportagem de capa, de minha autoria, o fim de um dos maiores mistérios da Guerrilha do Araguaia: o diário que Maurício Grabois, comandante dos 68 combatentes do PCdoB, escreveu durante 605 dias em seu esconderijo na mata, do início do conflito (12/04/72) até sua morte (25/12/73). Para além de ser o documento mais importante e profundo sobre a guerrilha até hoje revelado, o diário registra as angústias, os medos e a solidão do homem que comandou a única guerrilha rural da história do Brasil.

Abaixo, uma entrevista que o site da CartaCapital fez comigo. Nela, há um link para a íntegra do diário de Maurício Grabois (o texto, digitalizado, soma 86 mil palavras e enche 150 páginas tamanho A4).

 

Inédito há 38 anos, período em que ficou guardado na grande gaveta de documentos secretos do Exército, o diário de Grabois, que registra um dos pedaços mais obscuros da história do Brasil, agora é público.





Exclusivo: O diário do Araguaia



Redação Carta Capital



Em entrevista, o jornalista Lucas Figueiredo, um dos mais brilhantes repórteres investigativos do País, fala dos manuscritos de Maurício Grabois, líder da guerrilha, revelados na próxima edição de CartaCapital e que foram mantidos sob sigilo pelo Exército por 38 anos.



Durante 605 dias, o Velho Mário, nome verdadeiro Maurício Grabois, dirigente histórico do PCdoB e líder da Guerrilha do Araguaia, registrou em diário a saga dos 68 combatentes que se isolaram na Amazônia com o propósito de tomar o poder dos militares. Entre registros factuais e impressões pessoais, o comandante escreveu mais de 86 mil palavras até ser executado pelos militares em 25 de dezembro de 1973. O diário foi recolhido pelos seus algozes e, posteriormente, copiado em forma de documento digitado e guardado na grande gaveta de papéis secretos do Exército.



O mistério acabou. CartaCapital obteve uma cópia integral do diário. Trata-se de uma visão particular de Grabois, quase sempre sozinho a anotar os momentos de angústia e tensão na mata. Em entrevista, o jornalista Lucas Figueiredo, autor da reportagem de capa da edição que chega às bancas a partir desta quinta-feira 21, fala sobre o diário, cuja íntegra original pode ser lida aqui e uma versão explicativa, aqui.



CartaCapital: O que mais chamou a sua atenção no diário de Grabois?



Lucas Figueiredo: Esse diário é o registro histórico mais aprofundado da Guerrilha do Araguaia. O documento possui mais de 86 mil palavras. Para se ter uma ideia, o texto digitalizado completou 150 páginas de tamanho A4, que cobrem 605 dias de conflito. Além de lançar luzes sobre esse episódio nebuloso da ditadura, o documento é uma peça valiosa por incluir o relato pessoal de Grabois. Toda a sua dor, angústia, solidão, saudades da família estão contempladas no texto, que revela o lado humano do guerrilheiro.



CC: O que esse material acrescenta para a compreensão da guerrilha?



LF: Pela primeira vez temos acesso a um relato mais profundo por parte dos guerrilheiros do período mais sangrento da Guerrilha do Araguaia. Grabois foi executado em 25 de dezembro de 1973. Foi um dos últimos insurgentes a morrer. Na prática, houve três grandes campanhas dos militares contra a guerrilha. Na última, não houve preocupação de efetuar prisões, e sim de eliminar os combatentes. Como o diário vai de abril de 1972 a dezembro de 1973, temos mais informações sobre essa fase final. Os poucos sobreviventes, não mais do que meia dúzia, não deixaram relatos consistentes. Um deles, Ângelo Arroyo, morreria em 1976 na chacina da Lapa, no Rio de Janeiro. Os demais eram desertores, não quiseram falar muito sobre o que aconteceu. Esse diário está nos arquivos sigilosos das Forças Armadas desde então. Só foi revelado agora por CartaCapital.



CC: Como você definiria a liderança exercida por Grabois?



LF: Ele era muito mais rígido com os outros do que com ele mesmo ou com o seu partido, o PCdoB. Grabois tinha sob o seu comando 68 combatentes, em sua maioria jovens na faixa dos 25 anos, estudantes universitários ou profissionais liberais. Gente que nunca pegou em armas antes, que nunca teve treinamento militar. Ele esperava que esses 68 neófitos, como costumava dizer, fossem capazes de enfrentar soldados profissionais das três Forças Armadas, agentes da Polícia Federal e policiais de três estados diferentes. Exigia rigor absoluto, erro zero. Como se esse pequeno grupo pudesse atuar como rambos no Araguaia. Além disso, Grabois teve graves erros de avaliação. Imaginava que, com o tempo, as massas iriam aderir à guerrilha. Mas a população local oferecia apenas apoio pontual, doava comida e oferecia abrigo para os combatentes pernoitarem em algumas ocasiões. Jamais os campesinos se dispuseram a engrossar as fileiras da insurgência. Grabois também costuma ouvir muito a Rádio Tirana, da Albânia, que pregava propaganda comunista e alardeava um grande movimento insurrecional no Araguaia. Ele passou a acreditar no que escutava. A rádio passava propaganda e ele tomava como verdade. Trata-se de um erro de avaliação indesculpável para um líder revolucionário.



A reportagem completa sobre o diário de Grabois está na edição impressa de CartaCapital que chega às bancas em São Paulo na quinta-feira 21 e no resto do País na sexta-feira 22.

Visite o blog do autor da matéria, jornalista Lucas Figueredo

 http://lfigueiredo.wordpress.com

quarta-feira, abril 20, 2011

Show na fuga

video

Não indico desrespeitar barreiras policiais. Mas, este cara é um showman ao volante. Ele conseguiu driblar a polícia fazendo várias manobras durante uma fuga com um carro numa highway americana. É realmente algo para se apreciar. Claro que se fosse no Brasil, em especial Alagoas, talvez tivess morto a esta hora. Como foi nos EUA levou uns sopapos, mas cumpriu pena é claro. Dá uma olhada e por favor não pense em repetir.

Matéria sobre violência em Alagoas

O Estado de Alagoas voltou ser destaque nacional por ocupar a liderança do ranking da violência do país. O companheiro Arnaldo Ferreira, que a época ainda estava na Band, fez um excelente matéria sobre o tema. Ferreira está de volta ao jornalismo alagoano, desta vez, para a TV Alagoas, onde é repórter de rede do SBT.

Valeu Ferreirinha!

Atenção para ouvir o áudio click na pausa de nossa rádio, ok!

quinta-feira, março 10, 2011

De volta com todo o gás, depois das férias...

Camaradas e camareiras, estamos de volta!
Demorou, mas terminou...

Ainda em clima de carnaval, acabo de pescar essa confusão aqui no http://www.cadaminuto.com.br/. O cantor e performer, Alceu Valença, bateu boca durante um show em Vitória de Santo Antão, interior de Pernambuco. De um lado o mestre e do outro o cantor Pierre. A confusão, diante do público, teve início quando Alceu se incomodou com o som emitido pelo trio do Bloco A Girafa, puxado por Pierre. Ficou feio para ambas as partes. Afinal, já que pedimos tolerância no carnaval, como é que os comandantes da festa são os primeiros a darem mal exemplo.



Veja o vídeo

quinta-feira, fevereiro 17, 2011

Furo: câmera na bunda flagra olhares indiscretos




Colegas de blog ou da blogsfera. Ainda estou em meio período de férias. Por isso a ausência tão longa. Mas estamos atentos. Nesse caso era impossível não se manifestar. Câmera na bunda é demais! Fiquei imaginando onde o seu esconderijo. De fato a internet mudou a realação das pessoas com o mundo. E, do nada, agora, estamos a ver essa experiência. Que loucura, né?!

domingo, janeiro 30, 2011

Deu no Cada Minuto: Téo canta marchinha de carnaval

Pra não dizer que falei das flores. Tá aí, um dos destaques do site http://www.cadaminuto.com.br/  Téo Vilela. governador de Alagoas, é abordado por duas morenas do Programa do Gugu e canta uma marchinha carnavalesca.

Meteram a mão

O goleiro Mão fechou o gol do Brasil
O time do Brasil de Beach Soccer do goleiro Mão e do artilheiro Benajamim perdeu para o time do Uruguai. Os brasileiros venciam por 3x2, quando um gol  de mão dos uruguaios deixou tudo igual. Aí veio a prorrogação e em seguida os pênaltis.

O dia era de festa. Benajamim fazia sua partida de número 300 e marcou durante o jogo. Hora do pênalti e na cobrança do craque Diego, goleiro uruguaio defende. Desmorona a festa!

Na partida em que Mão foi destaque, com defesas espetaculares, um gol de mão mudou a história. E o que parecia certo, o gol de pênalti de Benjamim não veio.

Essa é magia que cerca o futebol.

sábado, janeiro 29, 2011

De volta por causa do Mané!

Estou de volta. Num dia típico de ócio produtivo, decido voltar. Minhas férias, só para registrar, foi antes das férias de todo mundo.

Depois do fim de minha passagem, meteórica, na Rádio Jornal, fiquei com preguiça de escrever no blog. Investi em outros projetos.

Mas, neste momento, enquando ouço um rádio básico, optei por ressurgir virtualmente.

Motivado por um sentimento de bairrismo, que raras vezes  me acomete, ao ver a foto de Mané Garrincha vestindo a camisa do CSA, não resisti.

Da esquerda e agachados: Castanha, Garrincha e Dida
A foto foi achada no site do Milton Neves


-Escrevi e publiquei!

Mesmo, ainda com preguiça, liguei o computador e de repentem me deparo com a imagem fantástica. Mané, Dida e ao lado deles o pai da Charlene Araújo, a jornalista da Sala Nacional, o popular Castanha.

Foi em 1973, quando Mané rodava o Brasil em jogos apresentação. O jogo aconteceu contra o ASA de Arapiraca, time que Mané também defendeu, nas mesmas condições. (Essa história recontada aqui foi parar no blog Amigos de Delmiro).

A foto, sem crédito, foi achada no site do Milton Neves, na coluna "Que fim levou".

Garrincha estava lá, como quase sempre, agachado ao lado do Dida, que é tio da Layra Santa Rosa, e que dá nome ao Museu dos Esportes, que é cuidado e preservado pelo amor do radialista e jornalista, Lauthenay Perdigão.

-Lá é o cantinho da saudade de todos nós e dos saudosos!

Voltando. Mané com aquele olhar clássico, posicionado no mesmo lugar, mas bem próximo da gente do CSA, da época.

A cara do Castanha tá qualquer coisa. Congelado pelo tempo, no instante de êxtase, o ex-massagista é a prova viva de que o fato e a história se misturam.

Apaixonado pelo CSA, Castanha protagonizou um dos fatos que correram o Brasil. Durante uma partida do Azulão do Mutange ele invadiu o campo e tirou uma bola que acabara de vencer o goleiro. Com trajetória certa para as redes, só não balançou o véu da noiva por causa dele: Castanha, o herói azulino.

-Ei mestre não me esqueci que o senhor ficou de falar comigo sobre o Ney Conceição! (Outra estrela alvinegra que aprontou por aqui).

Mas voltando no tempo, senti falta de algo que não vivi, mas impressionou meu pai, tanto que ele sempre falava do Mané. Chamado Manoel, papai era chamado por alguns de Mané.

-Mas não me lembro de meu pai agindo como um Mané, como pejorativamente é chamado um bobão! Jamais! Isso meu pai não era mesmo. Com ele era tudo em branco e preto! Simples, mas firme!

É isso! Uma foto, um instante! E o retorno.

História
Volto depois da eleição da Dilma. Do salvamento dos mineiros...